noticias

Foto: Peter IlliccievUm estudo desenvolvido na Fiocruz Pernambuco traçou a rota da chegada do vírus zika ao Brasil, preenchendo uma lacuna na literatura sobre o tema. Entre as hipóteses mais frequentes, acreditava-se que o vírus teria entrado no país durante a Copa do Mundo de 2014 (12 a 13 de julho), trazido por viajantes africanos. Outra teoria afirmava que a introdução teria ocorrido durante o campeonato mundial de canoagem, realizado em agosto de 2014, no Rio de Janeiro, que recebeu competidores de vários países do Pacífico afetados pelo vírus zika.

No entanto, segundo o estudo Revisiting Key Entry Routes of Human Epidemic Arboviruses into the Mainland Americas through Large-Scale Phylogenomics (Revisitando as principais rotas de entrada de arbovírus epidêmicos em humanos no continente americano por meio de Filogenômica de grande escala) o vírus zika, originário da Polinésia Francesa, não veio de lá diretamente para o Brasil. Antes ele migrou para a Oceania, depois para a Ilha de Páscoa - de onde foi para a região da América Central e Caribe- e só então chegou ao Brasil, no final de 2013. “Isso coincide com o caminho percorrido pelos vírus dengue e chikungunya”, explica um dos investigadores, o pesquisador Lindomar Pena. Esse resultado, aponta para o fato que a América Central e Caribe são importantes rotas de entrada para arbovírus na América do Sul. Uma informação estratégica para a vigilância epidemiológica e para adoção de medidas de controle e monitoramento dessas doenças, especialmente em regiões de fronteira com outros países, portos e aeroportos, segundo o artigo.

Em todos os casos brasileiros estudados, o ancestral em comum dos vírus é uma cepa do Haiti, país sabidamente afetado pela tripla epidemia de zika, dengue e chikungunya. Imigrantes ilegais vindos do Haiti e militares brasileiros em missão de paz naquele país podem ter trazido o vírus zika para o Brasil. Em consonância com esses resultados, estudos anteriores haviam confirmado casos de chikungunya no Brasil importados do Haiti e da República Dominicana, destacando a América Central e Caribe como rotas importantes para a introdução desse arbovírus no Brasil.

Outra conclusão do estudo é que houve múltiplas introduções, independentes entre si, do vírus zika no Brasil. Isso muda a crença anterior de que um único paciente poderia ter trazido a doença, que depois teria se espalhado pelo país.

Metodologia

O estudo contou com a participação dos pesquisadores da Fiocruz Pernambuco Lindomar Pena, Túlio Campos, Gabriel Wallau e Antonio Rezende e de um colaborador da Universidade de Glasgow, Alain Kohl. As análises se basearam num total de 4.035 amostras de genomas completos dos três vírus disponíveis em bancos de dados públicos e foram usados algoritmos e ferramentas computacionais de última geração. A pesquisa contou com financiamento da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) e envolveu também os vírus dengue e chikungunya. Os resultados foram publicados no International Journal of Genomics.

Histórico de combate ao vírus zika

Em 2015, a própria Fiocruz Pernambuco, por meio do Grupo de Pesquisa da Epidemia da Microcefalia (Merg), assumia um papel de destaque no momento de emergência epidemiológica provocado pelo vírus zika. A equipe, à época coordenada pela médica e pesquisadora Celina Turchi, publicou um estudo que comprovou definitivamente a relação entre o vírus e as alterações hoje chamadas de síndrome da zika congênita, entre elas a microcefalia.

“Hoje, sabe-se que essas alterações não se expressam apenas como microcefalia. Por isso, é importante reconhecer o espectro de alterações que constituem a síndrome da zika congênita, com manifestações como cegueira, dificuldade de deglutição, atraso do desenvolvimento motor. As crianças expostas à infecção durante a gravidez devem ser avaliadas precocemente para iniciarmos sua estimulação o quanto antes”, alertava a especialista em entrevista ao Conexão Fiotec-Fiocruz, em abril de 2017.

Acesse a íntegra da reportagem, publicada na 9ª edição do informativo.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias (AFN)