'Nos Trilhos da Ciência' narra história da doença de Chagas - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

Um livro, uma maleta contadora de histórias e um e-book. Três formas diferentes e gostosas de divulgar ciência que estão surgindo com o projeto Nos Trilhos da Ciência, lançado no Museu da Vida da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). A ideia é conversar com crianças de cinco a dez anos sobre a descoberta da doença de Chagas, que, em 2019, completou 110 anos desde o grande anúncio de Oswaldo Cruz à Academia Nacional de Medicina. As motivações são duas: a paixão por histórias e crianças de Claudia Oliveira, museóloga e educadora do Museu da Vida que idealizou e coordenou o projeto.

Com linguagem lúdica, o livro infantil Nos Trilhos da Ciência conta os caminhos percorridos pelo cientista brasileiro Carlos Chagas ao descobrir três coisas muito importantes: um inseto conhecido como barbeiro que transmitia a doença por meio de seu cocô; o microrganismo causador da enfermidade, o Trypanosoma cruzi; e os sintomas da doença, que acabou por receber o nome do pesquisador. Realmente, é um feito e tanto: ele acertou uma cajadada em cada um dos três pontos de interrogação relacionados à doença até então desconhecida.

A história começa no Rio de Janeiro, quando o seu tutor, o médico Oswaldo Cruz, enviou Chagas com outros pesquisadores ao interior de Minas Gerais para atender trabalhadores que estavam padecendo de malária. Chegando lá, ele descobriu um novo inseto que picava os moradores no rosto, o tal do barbeiro. Motivado por curiosidade, resolveu analisá-lo ao microscópio e percebeu que havia microrganismos que habitavam o intestino do inseto. A história se desenrola até o momento em que todo o ciclo da doença é desvendado.

“Sempre tive prazer em contar histórias. Ainda criança, quando havia oportunidade, por muitas vezes reunia meus primos. Estando no Castelo como mediadora, um lugar muito especial que atrai, diariamente, a atenção de quem está e de quem não está na Fiocruz, me apaixonei pela história de Oswaldo Cruz”, revela Cláudia, que já escreveu o livro infantil Oswaldo e seu Castelo, contando a ideia de Oswaldo Cruz ao construir o edifício que hoje é conhecido como Castelo Mourisco. A primeira publicação está disponível para download gratuito no site do Museu da Vida. “No exercício da mediação no Museu, tendo a certeza de minha afinidade com o público infantil e pensando em minha realidade quando criança, o que me instigava era aproveitar, da melhor maneira, o patrimônio da Fiocruz para conversar com crianças”, ressalta.

Continue lendo.


Fonte: Museu da Vida (COC/Fiocruz)