noticias

Imagem aérea do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro
(foto: Acervo O Globo)
Na segunda semana de janeiro de 2019, as comunidades que compõem o Complexo da Maré, na zona Norte do Rio de Janeiro, começarão a receber os Aedes aegypti com Wolbachia, os mosquitos aliados no combate a dengue, zika e chikungunya do World Mosquito Program (WMP). O WMP é uma iniciativa global de combate às doenças transmitidas por mosquitos que, no Brasil, é conduzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

A liberação será feita por Agentes de Vigilância em Saúde (AVS) durante 16 semanas. Os seguintes bairros estão incluídos nessa área: Vila do Pinheiro, Morro do Timbau, Baixa do Sapateiro, Nova Holanda, Parque União, Rubens Vaz, Conjunto Esperança, Vila do João, Salsa e Merengue, Parque Maré, Nova Maré, Ramos, Paraibúna, Roquete Pinto, Joana Nascimento e Pata Choca. Os agentes percorrerão essas áreas a pé, carregando tubos plásticos transparentes, contendo mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia, que serão liberados nas vias públicas. As solturas serão realizadas uma vez por semana.

Nos últimos meses, uma série de ações educativas e de comunicação foi realizada na Maré, com o objetivo de informar a população sobre o Método Wolbachia. Esta etapa teve o apoio e a participação de parceiros do WMP no território, como lideranças comunitárias e associações de moradores, unidades de saúde, escolas e organizações não-governamentais, como a Redes da Maré. No dia 8 de dezembro, o WMP realizou, junto a parceiros, uma manhã de divulgação científica no Galpão Bela Maré.

Durante a etapa de liberações, é possível notar um aumento na quantidade de mosquitos. É importante lembrar que esses mosquitos não transmitem doenças e, após o término das liberações, a quantidade tende a voltar ao patamar anterior e, em alguns casos, pode até diminuir.

Após algumas semanas de liberação, armadilhas usadas para capturar mosquitos serão instaladas em residências e estabelecimentos disponibilizados por voluntários. O objetivo é monitorar o estabelecimento da população de Aedes aegypti com Wolbachia. A previsão é que, até o final do mês de janeiro, outros três bairros da zona Norte comecem a receber os mosquitos aliados: Jardim América, Parada de Lucas e Vigário Geral.

Continue lendo.


Fonte: Agência Fiocruz de Notícias (AFN).